Segunda-feira, 26 de Janeiro de 2009
O FIGUEIRENSE - os nossos amigos golfinhos

 
 
 
Golfinho recolhido na Nazaré recupera em Quiaios
 
O golfinho que domingo deu à praia, na Nazaré, foi transferido para o Centro de Recuperação de Animais Marinhos de Quiaios, na Figueira da Foz, onde uma equipa de biólogos e veterinários se ocupa da sua recuperação.

“Foi tratado ainda na praia com antibióticos, soro e vitaminas e recolhido sangue para análises com vista a identificar de que padece”, disse à Agência Lusa o veterinário Salvador Mascarenhas, membro da equipa de socorro.

Segundo este técnico familiarizado com a assistência a cetáceos que com frequência aparecem em situação de fragilidade nas praias portuguesas, o golfinho da Nazaré tem 55 quilos de peso, está muito magro e provavelmente é um macho adulto, da espécie “desfinus delfis”.

“É fácil distinguir o sexo, porque os golfinhos fêmeas têm duas fendas mamárias ladeando a fenda genital. No caso deste, teve que ser por apalpação para não o virarmos de barriga para cima, o que no seu estado poderia enervá-lo e fazer piorar o seu estado de saúde”, explicou o médico veterinário.

O animal vai ficar sob observação e convalescença no Centro de Recuperação de Animais Marinhos de Quiaios, que pertence à Sociedade Portuguesa de Vida Selvagem (SPVS), uma instituição privada sem apoios do Estado e que vive de prestação de serviços a empresas privadas para custear os seus projectos de ajuda a animais em estado de carência.

“Por vezes, alguns animais são eutanasiados por não haver fundos disponíveis para promover a sua recuperação”, disse à Lusa este médico veterinário que trabalha em regime de voluntariado e sem ser remunerado na assistência a animais necessitados de ajuda.

“Em relação a este golfinho há alguma esperança e além disso ele vai juntar-se a um outro da mesma espécie que desde Setembro de 2007 se encontra em tratamento e observação no Centro de Recuperação de Animais Marinhos da Figueira da Foz, estando já curado, a comer bem e em fase de treino para se alimentar com peixe vivo, condição necessária para ser devolvido ao seu ambiente natural, o mar”, disse à Lusa Salvador Mascarenhas.

No entanto, o golfinho que este domingo deu à costa na Nazaré está ainda “em estado muito crítico e com prognóstico reservado”, segundo o veterinário.

Cerca de 99 por cento dos golfinhos que encalham na praia (o chamado “sindroma de arrojamento”) não sobrevivem, em qualquer parte do mundo. Em Portugal, em 2008 foram mais de uma centena as ocorrências e apenas dois se salvaram, o que mesmo assim constitui um recorde ibérico porque em Espanha apenas um sobreviveu, disse à Lusa o veterinário Salvador Mascarenhas.

“Em Portugal recuperámos a única Baleia Piloto (uma espécie rara de golfinho) a nível da Europa, mas mesmo os exemplares que não sobrevivem poderiam servir para estudo e investigação, o problema é a falta de apoios”, lamentou o veterinário Salvador Mascarenhas, que por carolice colabora no salvamento de animais marinhos.


26-01-2009
 


I mumble because I feel:

publicado por poetaporkedeusker às 14:00
link do post | mumble too! | How we mumbled:
|

8 comentários:
De Escondida a 27 de Janeiro de 2009 às 14:36
Quiaios!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

(Nota-se muito que eu amo Quiaios?? Oh, passo lá parte dos melhores momentos da minha vida!)

Vi a noticia e fiquei tão contente!

:)

Bjinhus


De poetaporkedeusker a 28 de Janeiro de 2009 às 02:39
Nota-se pois! :) Estou com um problema de "identidade informática"! Depois conto melhor!
Bjinho!


De Fisga a 28 de Janeiro de 2009 às 18:44
Olá Amiga João. O meu agradecimento. Fico sensibilizado e a torcer para que o golfinho volte rapidamente ao seu habita-te natural. Há 60 anos, eu atravessava nos barcos para o Montijo, ou do Montijo para Lisboa, e fazia as viagens na coberta com o braço estendido, para as toninhas ou golfinhos me beijarem a mão. Era no tempo em que o Tejo ainda tinha alguma qualidade de vida. E então estes adoráveis bichinhos acompanhavam os barcos o dia inteiro. Agora desapareceram já há muitos anos, com a poluição.


De poetaporkedeusker a 29 de Janeiro de 2009 às 02:23
Sabes, amigo, tenho memória do cadáver de um golfinho que deu á costa em frente à casa da minha avó Maria , no Dafundo, quando eu tinha os meus quatro ou cinco anos. Lembro-me muito bem disso e de ter ficado triste pelo golfinho e de eu e o meu pai corrermos para ele, na esperança de ainda o podermos salvar. Isto foi há pouco mais de 50 anos. deve ter sido um dos últimos povoadores do estuário do Tejo... e de que se irão recordar os nossos netos?
Enfim...
Abraço.


De Fisga a 31 de Janeiro de 2009 às 12:14
Olá amiga João. E não é que deve ser uma grande verdade? Eu fui ver esse golfinho, foi a primeira vez que fui ao Dafundo. A verdade é que não me lembro de depois disso ter visto mais os golfinhos a acompanhar os barcos. Um Abraço Eduardo.



De poetaporkedeusker a 31 de Janeiro de 2009 às 14:20
Tu não me digas!? É verdade, é! A minha mãe ainda tinha fotografias dele, tiradas pelo meu pai! E lembraste de uma foca chamada Sofia que estava no aquário Vasco da Gama? Eu estava sempre lá caída para "conversar" com a Sofia. Chorei quando ela morreu de velha.
Tu queres ver que ainda nos vimos na praia do Dafundo? Lembraste das tintureiras? Eram uns bichinhos muito roxos que andavam por ali aos montes, a nadar. Pareciam lulas roxas. Eu e o meu pai passávamos horas a atirá-las para o Tejo quando encalhavam na praia... também nunca mais vi tintureiras...e eu gostava imenso delas. Deslumbrava-me com tudo o que fosse vida...


De Fisga a 1 de Fevereiro de 2009 às 10:32
Olá amiga Maria João. Não amiga, eu nunca tinha ido à praia do Dafundo, só fui lá daquela vez, para ver o pobre bichinho, a minha praia era a praia de Algés, onde eu com 2$50, tinha direito a calção de banho, um toldo, uma toalha e um duche de água doce no fim da praia. Quanto ao aquário Vasco da Gama, quando lá fui pela primeira vez, já essa foca tinha morrido, lembro-me de ler num escaparate na entrada do aquário, sobre essa Sofia. Bons tempos amiga, que saudades que eu tenho, nem só porque era moço, como porque parece que eu nunca tive tanta família como nessa época, fazia-se uma amizade, no comboio, na praia ou em qualquer lado, com uma facilidade espantosa, hoje já nada é assim. Diz-se na minha terra: As coisas antes, eram como eram e agora são comichão. Um abraço Eduardo.


De poetaporkedeusker a 1 de Fevereiro de 2009 às 11:41
eheheh... agora são comichão pois! Mas tens razão amigo. Na nossa juventude éramos muito mais sociáveis e o tempo parecia passar muito mais devagar. As coisas que se faziam em 24 horas!
Abraço grande.


Comentar post

See how I mumble...
Look for mumbles
 
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


My last mumbles...

TODOS NÓS, SERES DE DIREI...

MARCHA PELOS DIREITOS DOS...

BLOG EM GREVE

COMUNICADO DA ASSOCIAÇÃO ...

BASE DE DADOS DE APOIO AO...

TOURADAS NA TELEVISÃO? NÃ...

CORDÃO HUMANO CONTRA AS T...

LANÇAMENTO DO LIVRO "PEQU...

MARCHA ANIMAL - 14 de Abr...

GREVE GERAL!

every single mumble

Junho 2013

Abril 2013

Novembro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Abril 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Novembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Those who make me mumble

CONVERSANDO COM MARIA DA ...

É a arte, solidão?

SO(LAS)

“A Linha de Cascais Está ...

CANTIGA PARA QUEM SONHA -...

Our story in 2 minutes

«A TAUROMAQUIA É A ÚNICA ...

Novidades a 13 de Dezembr...

LIMPAR PORTUGAL

Ler dos outros... (cróni...

links
why I mumble
MUMBLE MAKERS
S.O.S. Tigres em extinção!
MUMBLES
Whenever it might be needed!
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds