Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

mumbles

mumbles

01 Jun, 2008

SEM TÍTULO NO SER



Sou ventre da vil fúria dum vulcão,
Sou malga da muralha de ser forte,
Sou folha que esvoaça sem ter norte;
De fria cor enfeito o coração.

Cálice derramado pelo chão...
Sou lírio de mãos dadas com a morte,
Sou rosa que se queda em pouca sorte,
Sou manta de retalhos da ilusão.

Sou hortênsia de pranto e nostalgia...
Peça de fogo que arde noite e dia
E choro, choro até encher o mar.

De dentro do meu peito ondas e bruma
Naufragam numa tela uma a uma,
Num traço de mil cores a soluçar.

Rosa Silva ("Azoriana")

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.